quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Henry Virkler - Inerrância bíblica e cristologia


...há vários motivos pelos quais o problema da inerrância é importante para os evangélicos. Primeiro, se a Bíblia erra quando trata de questões não essenciais à salvação, então ela pode incidir em erro toda vez que fala da natureza do homem, das relações interpessoais e familiares, dos comportamentos sexuais, da vontade e das emoções, e de uma hoste de outros problemas relacionados com o viver cristão. Uma Bíblia que erra pode ser apenas um reflexo da filosofia e psicologia hebraicas antigas, com pouca coisa para oferecer-nos. Segundo, conforme a história da igreja tem repetidamente demonstrado, os grupos que começam por questionar a validade de pequenos detalhes bíblicos, finalmente questionam também doutrinas maiores. Muitos observadores atuais têm visto repetir-se este padrão: a aceitação de uma passagem bíblica errante em assuntos periféricos logo se faz seguir da alegação de que a Escritura erra em ensinos mais centrais.
----------------------------------------
...muitas pessoas preferem não se envolver em questões doutrinárias e teológicas. Para elas, o importante é um relacionamento salvador com Jesus, e não vêem relacionamento entre cristologia e outros problemas, nem se preocupam com isso. Harold Lindsell destaca o estreito relacionamento entre cristologia e inerrância: “Se Jesus ensinou a inerrância bíblica, ele sabia que a inerrância bíblica era verdadeira, ou sabia que era falsa mas a usou como um instrumento para a ignorância de seus ouvintes, ou ele estava limitado e, sem o saber, sustentava algo que não era verdadeiro.”
A aceitação de qualquer das duas últimas opções conduz a uma estranha cristologia. Se Jesus sabia que a inerrância era falsa mas ensinou ao contrário, ele foi culpado de impostura e não poderia ter sido um ser sem pecado; portanto, ele era incapaz de prover uma expiação imaculada para nossos pecados. Se o entendimento que Jesus tinha da verdade era tão limitado ao ponto de ele ensinar inverdade, então não temos garantia de que seu ensino sobre outras questões, como a salvação, seja verídico. A única alternativa que nos deixa com nossa cristologia intacta é que Jesus sabia que a Bíblia é inerrante e que seu conhecimento era correto.

Extraído do excelente livro “Hermenêutica avançada” da Ed. Vida