quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

John MacArthur Jr - A verdade bíblica exclusiva com autoridade


...Não obstante, parece que muitos dos líderes da comunidade evangélica, pessoas que são vistas e ouvidas, estão temerosos de afirmar a autoridade bíblica. Raramente o pregador evangélico fala claramente ao mundo com um autorizado "Assim diz o Senhor." Como é que nós chegamos ao ponto em que podemos aceitar como autoridade a opinião de um advogado, um médico, um arquiteto, mas não podemos tolerar a autoridade da Palavra de Deus?

Será que os evangélicos ainda acreditam sem reservas que a verdade bíblica tem autoridade divina? Evidentemente não. Tem se tomado moda falar sobre o choque entre verdade e erro como um "diálogo." Toda vez que um conflito se levanta entre o Cristianismo e outro ponto de vista, alguns líderes evangélicos convocam um diálogo com os defensores do outro ponto de vista. Na última década líderes evangélicos bem conhecidos têm patrocinado diálogos formais com uma variedade ampla de figuras religiosas não-cristãs, líderes de seitas, defensores de vários estilos de vida e representantes de praticamente todo ponto de vista que é hostil ao Cristianismo bíblico. 

Pouco após o evento terrorista de 11 de setembro nos Estados Unidos da América, uma de suas mais conhecidas igrejas evangélicas patrocinou um diálogo com um clérigo islâmico (imam) no culto de adoração do final de semana, ostensivamente para reunir cristãos e muçulmanos. "Eu achei muito interessante ver o quanto nós temos em comum," disse um membro da igreja a um repórter depois do culto. Outro disse que o diálogo com o imam tinha "aberto portas para comunicar e mostrou que os muçulmanos são gente do mesmo jeito que nós." Segundo o repórter que cobria o evento, aquelas respostas eram "o tipo de impacto que o pastor desejava."

Por quê tais diálogos sempre parecem minimizar as diferenças entre o Cristianismo e a falsa religião — e nunca traçar linhas de distinção mais claramente? 

A verdade bíblica é para ser proclamada com autoridade, não colocada na mesa para discussão apenas como uma alternativa possível entre outros pontos de vista. O conflito entre verdade bíblica e crenças rivais não é assunto para ser resolvido por meio de diálogo. Essa é uma guerra espiritual não uma festa descontraída. Ela deve ser vista como um combate não uma conversação. Nós recebemos ordens de destruir as fortalezas do pensamento anti-bíblico " ... e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus ... levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo" (2Co 10.5).

 ----------------------

...Não há necessidade de buscar um terreno comum através de diálogo com proponentes de pontos de vista anticristãos, como se a verdade pudesse ser refinada pelo método dialético. É loucura pensar que a verdade dada por revelação divina precisa de qualquer refino ou atualização. Nem tampouco devemos imaginar que nós podemos encontrar os pontos de vista opositores em algum terreno neutro filosófico. O terreno entre nós não é neutro. Se nós realmente acreditamos que a Palavra de Deus é verdadeira, nós sabemos que toda oposição é um erro. E somos instruídos a não ceder qualquer espaço ao erro.

Textos extraídos de "Princípios para uma cosmovisão bíblica" da Editora Cultura Cristã.