terça-feira, 10 de julho de 2012

A. A. Hodge - A autoridade das Escrituras vém de Deus



Esta proposição se destina a negar a heresia romanista de que a Igreja inspirada é a fonte última de todo o conhecimento divino, e que a Escritura escrita e a tradição eclesiástica igualmente dependem do selo autoritativo da igreja para sua credibilidade. E assim as Escrituras se convertem em produto do Espírito através da igreja; enquanto que, na verdade, a Igreja é que é produto do Espírito através da instrumentalidade da Palavra. É verdade que o testemunho da Igreja primitiva quanto à autoria apostólica dos diversos livros é de fundamental importância, assim como um súdito pode testificar quanto à identidade de um herdeiro da coroa; mas a autoridade das Escrituras não procede da Igreja mais do que a autoridade de um rei mediante o testemunho de um súdito que prova o fato de que ele é o herdeiro legítimo.

Fonte: “Confissão de Fé de Westminster comentada por A. A. Hodge” da Editora Os Puritanos.