segunda-feira, 26 de novembro de 2012

François Turretini - Dar a outra face...


Quando ordena “não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa” (Mt 5.39,40), Cristo não muda a lei implantada da natureza, a qual nos ensina a repelir a injúria e a força pelo uso da força. Antes, ele apenas condena a retaliação (to antipeponthos) quando à autodefesa se acrescenta a vingança e uma injúria igual ou maior. Essas palavras devem ser entendidas proverbial e hiperbolicamente, não segundo a letra (kata to rheton); pois Cristo mesmo não voltou a outra face àquele que o feria (Jo 18.23), nem Paulo (At 23.3). O significado, pois, é que é melhor estar pronto a sofrer nova injúria do que retribuir com injúria igual ou recompensar o mal com outro mal; e isso também sob o pretexto de uma lei divina concernente à retaliação. Assim a adversativa (como se dá frequentemente em outras partes) inclui em si uma comparação.

Fonte: “Compêndio de Teologia Apologética” da Editora Cultura Cristã