segunda-feira, 1 de abril de 2013

Heber Carlos de Campos - Jesus desceu ao Hades?



Cristo não foi literalmente ao inferno entre a morte e a ressurreição para pregar aos aprisionados que lá estavam, porque a Escritura mostra claramente o lugar para onde ele foi depois que morreu e foi supultado. Certamente ele também não foi ao inferno após a sua ressureição.

Quando Jesus Cristo foi “morto na carne”, ele foi estar com seu Pai, pois a Escritura afirma que, antes de expirar, ele disse: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23.46).

Quando Jesus Cristo foi “morto na carne”, ele foi para o céu, com seu Pai. No mesmo contexto da cruz, quando interpelado pelo ladrão à sua direita, que lhe suplicava “Lembra-te de mim, quando entrares no teu reino”, ele replicou: “Hoje mesmo estará comigo no paraíso” (Lc 23.43). Se formos buscar na própria Escritura o sentido de Paraíso, verificamos que é sinônimo de céu (o “terceiro céu”, o lugar em que Deus habita de modo especial). Essa foi a idéia que Paulo deu a respeito de sua subida ao terceiro céu, que ele equipara ao paraíso (ver 2Co 12.2-4). Portanto, o lugar em que Jesus Cristo permaneceu após a sua morte e até a ressurreição, não foi o Hades, mas o céu (ou o Paraíso), o lugar de santa bem-aventurança e gozo!

Além disso, quando Jesus Cristo estava para morrer, ele disse que todo o seu sofrimento pela redenção do pecador estava no final. Jesus exclamou: “Está consumado” (Jo 19.30). Ele não teria que descer ao Hades para fazer qualquer pagamento, nem terminar sua obra de evangelização ou mesmo proclamar a sua vitória. Toda a obra de redenção e de proclamação pessoal do Redentor havia cessado.

Fonte: Trecho de “Descendit ad inferna”: Uma análise da expressão “Desceu ao Hades” no cristianismo histórico. Para acessar o texto na íntegra acesse Fides Reformata