segunda-feira, 13 de maio de 2013

John Piper - De Israel para o mundo: Missões em Perspectiva


Por que Deus focou em Israel por 2.000 anos antes de enviar Cristo?

Basta pensar nisso. O Deus do universo focou a sua revelação especial e obra redentora em um pequeno povo étnico, Israel, por 2.000 anos - desde o chamado de Abrão em Gênesis 12 até a vinda de Cristo. Por todo esse tempo "ele permitiu que todas as nações seguissem os seus próprios caminhos" (At 14:16).
Em seguida, com a entrada de seu Filho no mundo, tudo isso mudou.
Enquanto Jesus subia ao céu, ele disse: "E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações" (Lc 24:47). "Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações" (Mt 28:19). Esta foi uma mudança fundamental na história da humanidade.
Mas o mandamento de discipular todas as nações não era uma reflexão tardia (plano substituto). Este era o plano desde o momento que Deus escolheu Israel. Deus disse a Abrão: "e em ti serão benditas todas as famílias da terra" (Gn 12:3).
Então Paulo aplicou isto ao Evangelho da justificação pela fé em Cristo: "Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti." (Gl 3:8). Então, Deus, quando ele escolheu Abrão 2000 anos antes de Cristo vir, estava preparando para alcançar as nações com o Evangelho de Cristo.
Por que, então, tanta demora, antes de Cristo vir e a Grande Comissão ser dada em seu nome?
Porque, na sabedoria de Deus, ele sabia que as nações do mundo compreenderiam bem melhor a natureza de Cristo e sua obra valendo-se do contexto de dois mil anos da história de Israel de lei e graça, fé e fracasso, sacrifício e expiação, sabedoria e profecia, misericórdia e julgamento.
Aqui está a forma como Paulo colocou em Romanos 3:19-20: "Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado." (Romanos 3:19-20). Em outras palavras, Deus falou por 2.000 anos à Israel para que o "mundo inteiro" percebesse que não há esperança de se acertar com Deus por meio de "obras feitas por nós em justiça" (Tito 3:5).
A história de Israel não é apenas sobre Israel. Trata-se de "toda a boca" e "todo o mundo." Não foi um desvio de 2 mil anos. Deus estava escrevendo um livro com lições para as nações. Não é por acaso que a nossa Bíblia tem o Antigo Testamento na sua formação.
Quando Paulo pregou aos não-judeus gregos no Aerópago, ele disse que até aquele momento os "tempos da ignorância" haviam dominado, Deus os tinha deixado seguirem seu próprio caminho. Mas, agora não: "Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos." (Atos 17:30-31).
Este é o "agora" que nós vivemos. E é um excitante "agora". "Agora Deus ordena que todos, em todos os lugares se arrependam." O Cristo ressuscitado autoriza esta ordem. Ele estará conosco em seu cumprimento.
Fonte: http://crosscon.com/blog/. Acesse o texto original e completo aqui.
Tradução: Eric N. de Souza