quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Thomas Witherow - Os ofícios temporários da igreja do 1º século

Dois desses ofícios — o de apóstolo e o de evangelista — eram temporários, necessários ao estabelecimento da Igreja Primitiva, mas não eram para ser perpetuados. Os apóstolos foram testemunhas oculares da ressurreição do Senhor Jesus, dotados de poder para operar milagres e conferir o Espírito Santo através da imposição das mãos, eram os expositores infalíveis da vontade de Deus e os fundadores da Igreja Cristã que, tendo servido ao propósito para o qual foram enviados, saíram de cena e, como apóstolos, não deixaram sucessores. Evangelistas eram missionários — homens que viajavam de um lugar para outro pregando o Evangelho e que agiam como assistentes e emissários dos apóstolos na organização das Igrejas. Destes, Felipe, Timóteo e Tito foram os principais exemplos. Com relação a esses ofícios temporários ou, como alguns preferem, extraordinários, deve ser dito que sua esfera de atuação não estava limitada a uma congregação em particular, mas era extensiva à Igreja como um todo. Foram membros de alguma Comunidade Cristã, dentro de cujos limites viveram por algum tempo, mas a missão deles era voltada para o mundo e a sua autoridade era extensiva à Igreja Universal.


Fonte: “A igreja apostólica – Que significa isto?” da Editora Os Puritanos