quarta-feira, 30 de julho de 2014

Leandro Antônio de Lima - Até para a teoria da evolução Deus seria necessário

Algumas particularidades tornam a teoria da evolução ainda mais inaceitável. Como algo morto pode dar origem a vida? Como algo simples pode originar o complexo? Uma brincadeira é feita com relação à teoria da evolução: uma vez que é dito que o big-bang, uma grande explosão, deu origem a todas as coisas, pede-se que se jogue uma bomba numa relojoaria e, depois que a poeira baixar, se verifique se todos os relógios estão sincronizados. Como pode uma explosão dar origem a um universo sincronizado? Na verdade, a teoria da evolução contraria leis científicas como, por exemplo, a da termodinâmica, que diz que as coisas tendem a se extinguir e não a evoluir. Uma chama acesa não aumenta mais e mais, mas queima até se apagar. Uma chaleira de água quente não se aquece mais e mais, ao contrário, ela esfria. A partir dessa concepção, uma teoria da involução seria muito mais provável. As coisas somente evoluem enquanto são alimentadas. A água aquece enquanto há fogo embaixo, e o fogo queima enquanto há lenha ou algum combustível que o alimente. Até mesmo para sustentar a teoria da evolução seria necessário supor que há um mantenedor por trás de cada ato evolutivo, e novamente Deus seria necessário. Os seres humanos não podem deixar Deus de lado; eles precisam dele para que algo faça sentido. Se o deixarmos de lado, estaremos abrindo mão da razão e mergulhando no caos da irracionalidade. Só uma época de relativismo como a atual poderia aceitar uma teoria como essa.

Fonte: “Razão da esperança – Teologia para hoje” da Editora Cultura Cristã