quarta-feira, 6 de maio de 2015

João Calvino - Minha resposta à Hebreus 6:4-6

Minha resposta é a seguinte: Deus certamente confere seu Espírito de regeneração somente aos eleitos, e que eles se distinguem dos réprobos no fato de que são transformados à imagem de Deus, e recebem o penhor do Espírito na esperança de uma herança por vir, e pelo mesmo Espírito o evangelho é selado em seus corações. Em tudo isso, porém, não vejo razão por que Deus não toque os réprobos com o sabor de sua graça, ou não ilumine suas mentes com alguns lampejos de sua luz, ou não os afete com algum senso de sua benevolência, ou em alguma medida não grave sua Palavra em seus corações. De outro modo, onde estaria aquela fé temporária que Marcos menciona [Mc 4.17]? Portanto, no réprobo há aquele conhecimento que mais tarde se desvanece, seja porque ele estende suas raízes com menos profundidade do que se espera, ou porque, ao crescer, é sufocado e murcha.

Ao fazer uso desse freio, o Senhor nos conserva em temor e humildade. E assim vemos com toda clareza quão inclinada é a natureza humana à displicência e tola confiança. Ao mesmo tempo, nossa solicitude deve ser tal que não perturbe a paz de nossa consciência. O Senhor prontamente e ao mesmo tempo encoraja nossa fé e subjuga nossa carne. Ele deseja que nossa fé permaneça serena e repouse como se estivesse segura num sólido abrigo. Ele exercita nossa carne com várias provas a fim de que ela não se precipite na indolência.

Fonte: “Hebreus – Série Comentários Bíblicos” da Editora Fiel