quarta-feira, 24 de junho de 2015

Franklin Ferreira - Não há inferioridade ou subordinação entre as pessoas da Trindade

Considerando o ser de Deus, ou Deus em si mesmo, na eternidade, afirmamos que não há inferioridade ou subordinação entre as pessoas da Trindade. As distinções entre essas pessoas são relacionais, isto é, sempre houve um relacionamento pessoal na Trindade, uma relação marcada por comunicação e amor mútuo. O Pai sempre foi o Pai, e desde a eternidade teve consigo o seu eterno Filho. Nunca houve um tempo em que o Pai não tivesse seu amado Filho. O Pai e o Filho se amam tão intensamente, um amor eterno, que se revela na pessoa do Espírito, o vínculo eterno de amor entre o Pai e o Filho. O Espírito Santo é o transbordar do amor pessoal da Trindade: por meio dele, pecadores salvos são inseridos nessa comunhão de amor.

Esse ensino de auto satisfação divina mostra que, em Deus, não há nenhuma necessidade de acrescentar algo a si ou de criar algo fora de si para a realizaçãoo do amor que existe entre as pessoas da Trindade. Deus sempre foi, é e será amor, porque existe em três pessoas. No entanto, é importantíssimo enfatizar que, no próprio ser de Deus, sempre houve e haverá igualdade; pensar de outra forma e abrir as portas para algum tipo de subordinação entre as pessoas resultará em distorção do ensino bíblico.

Fonte: “Teologia Cristã” da Editora Vida Nova